Pular para o conteúdo principal

Mortal Skin de Stéphane Humbert Lucas 777 Série Descortinando o Ateliê de Stéphane; 2º decifrando o código 777










Inspirado pela graça mortal da víbora tão exquisitamente representada na garrafa, a Pele Mortal é uma meditação sobre o perigo, a paixão e a obsessão hipnótica que se encaixa na perfumaria oriental e ocidental, como só o Stephane Humbert Lucas pode fazer. A Pele Mortal se abre com um mistério tentador, como um acorde de refrigeração e tinta de outro mundo que satisfaz a mola preta e pegajosa e a resina resinosa, ao mesmo tempo cativante e ameaçadora, familiar e estranha. No coração, a cobra volta para atacar, o quente opoponax e a mirra lavando sobre nós ao longo de aromáticos e lindos florais e mechas de especiarias jorrando seu veneno, hipnotizando em seu balanço. E uma vez que percebemos o poder contido dentro, a base resinosa de labdanum, styrax e bétula, é muito tarde para escapar - Mortal Skin me tem completamente impressionado.  Sedutor, esta é uma fragrância que você não pode  perder.












1º ato
O perfume, lânguido e colorido, hipnotiza-me,
Estou de olho em dois olhos que me desejam.
Frescura frondosa, frutas, magia do encontro,
A sedução começa.

2º Ato
O perfume aumenta e me paralisa,
As presas pulam, querendo afundar em mim.
O calor latejante misturado com frio azul, acho que sou mordido.
Sândalo, tequila, intoxicação.

3ª Ação
Bestialidade, brutalidade, jornada,
O perfume cheira a cinza quente.
A vida se desliza.
Agora sabe que tudo é lindo.
Elegância. Cativeiro. Estou me Deixando ir.



A Pele Mortal se abre na minha pele com uma doçura escura, morna e temperada que é atada com incenso e  mirra, levemente polvilhada com íris e ervas verdes e, em seguida, envolto dentro de uma forte nuvem de limpeza fresca e prateada. O último não é fácil de descrever porque não é precisamente limpo, aquoso, ozônico, metálico ou com sabão limpo, per si. E, no entanto, isso sugere todas essas coisas. Para a maior parte, no entanto, cheira mais ozônico do que qualquer coisa que se assemelhe a "tinta" real, e evoca pensamentos de roupas de algodão nítidas que foram limpas recentemente limpas, embora não seja uma vibração sintética ou fortemente sintética.


Em poucos minutos, Mortal Skin começa a mudar, à medida que o verde herbáceo se duplica e depois triplica em força. Ele também cheira limpo, mas é principalmente como ervas secas e doces, em vez de galbanum típico. O último não é uma das minhas notas favoritas, porque é freqüentemente tão verde, amargo e pungente quanto à inclinação do preto em visuais e corpulento em tons baixos.Esse não é o caso aqui. O cheiro é mais como alecrim, anis secos e gramíneas secas e doces, com tons suaves que me lembram de artemísia, angélica e, de vez em quando, tomilho seco. Ao mesmo tempo, parece inesperadamente limpo (graças ao lado ozônico da "tinta") e bem fresco. Eu suspeito que a íris tenha algo a ver com a última parte. Na minha pele, a íris na Pele Mortal é vagamente, nebulosa e floral, ocasionalmente, como doçura em pó, mas nunca é enrugada, terrosa, mofada ou cosmética. É uma nota muito sutil  e, novamente, a melhor maneira de explicar isso na fase inicial é como "leve muita  leveza".



Enquanto o verde herbáceo e a limpeza gelada e ozônica são os fios mais fortes na abertura, existem outros elementos que se seguem muito atrás. Um incenso silencioso, semi-doce, se abre caminho ao longo das notas superiores, cheirando mais a mirra doce e opoponax com um toque de noz, ao invés da mirra puramente litúrgica com suas tonalidades ensaboadas, mofadas, empoeiradas ou lenhosas. Tudo está impregnado de uma nuvem escura e dourada que é ambarada em sensação e na impressão mais do que cheirar o labdanum real, claro, explícito ou ambergris. As especiarias são generosamente rebocadas em cima, novamente mais abstratas que as camadas delineadas de forma clara. Alguma coisa sobre as duas coisas juntas emite uma vibe de pachouli e âmbar picante para mim, em vez de flutuar distintas camadas de açafrão e cardamomo. Uma das razões pelas quais pode ser porque a Pele Mortal é extremamente bem misturada, então várias de suas partes são subsumidas dentro de um buquê que é algo um borrão de madeira picante, herbácea, verde, quente, legal, doce e suave.




Obra prima de 
Stéphane Humbert Lucas 



5 PERGAMINHOS








ENGLISH VERSION 


Series Unveiling Stéphane's Studio; deciphering code 777: 2nd Mortal Skin by Stéphane Humbert Lucas 777




Inspired by the mortal grace of the viper so exquisitely represented in the bottle, the Deadly Skin is a meditation on the danger, the passion and the hypnotic obsession that fits into the oriental and western perfumery, as only Stephane Humbert Lucas can do. The Deadly Skin opens with a tempting mystery, like a chilling chord and otherworldly ink that satisfies the sticky black spring and the resinous resin, at once captivating and threatening, familiar and strange. In the heart, the snake comes back to attack, the hot opoponax and myrrh washing over us along aromatic and beautiful florals and strands of spices spouting its venom, hypnotizing in its swing. And once we realize the power contained within, the resinous base of labdanum, styrax and birch, is too late to escape - Mortal Skin has me completely impressed. Seductive, this is a fragrance that you can not miss.







1st act
The perfume, languid and colorful, hypnotizes me,
I'm keeping an eye on two eyes that want me.
Leafy freshness, fruits, meeting magic,
Seduction begins.

2nd Act
The perfume increases and paralyzes me,
The fangs jump, wanting to sink into me.
Throbbing heat mixed with cold blue, I think I'm bitten.
Sandalwood, tequila, intoxication.

3rd Action
Bestiality, brutality, journey,
The perfume smells like hot ash.
Life slips.
Now you know that everything is beautiful.
Elegance. Captivity. I'm letting go.






The Deadly Skin opens on my skin with a dark, warm and temperate sweetness that is laced with incense and myrrh, lightly sprinkled with irises and green herbs and then wrapped in a strong cloud of fresh, silvery cleansing. The latter is not easy to describe because it is not precisely clean, aqueous, ozone, metallic or with clean soap per se. And yet, that suggests all these things. For the most part, however, it smells more ozone than anything that resembles the actual "ink", and evokes thoughts of crisp cotton clothes that have been cleaned recently cleaned, though not a synthetic or strongly synthetic vibration.






In a few minutes, Mortal Skin begins to change, as the herbaceous green doubles and then triples in strength. It also smells clean, but it is mostly like dry and sweet herbs instead of typical galbanum. The latter is not one of my favorite notes because it is often so green, bitter and poignant as the tilt of black in visuals and corpulent in low tones. That is not the case here. The scent is more like rosemary, dried anise and dried sweet grasses, with soft tones that remind me of sagebrush, angelica and, occasionally, dry thyme. At the same time, it looks unexpectedly clean (thanks to the ozone side of the "paint") and pretty cool. I suspect the iris has something to do with the last part. On my skin, the iris on the Deadly Skin is vaguely, hazy and floral, occasionally as sweet sweetness, but is never wrinkled, earthy, musty or cosmetic. It's a very subtle note, and again, the best way to explain it in the initial phase is how "light weight."




While herbaceous green and icy and ozone cleansing are the strongest threads in the opening, there are other elements that follow far behind. A quiet, semi-sweet incense opens its way along the top notes, smelling more of myrrh and opoponax with a hint of walnut, rather than the purely liturgical myrrh with its soapy, moldy, dusty or woody hues. Everything is impregnated with a dark and golden cloud that is ambered in sensation and in the impression rather than smelling the real, clear, explicit or ambergris labdanum. The spices are generously plastered on top, again more abstract than the clearly delineated layers. Something about the two things together emits a vibe of pachouli and spicy amber to me instead of floating distinct layers of saffron and cardamom. One of the reasons why it may be because the Mortal Skin is extremely well blended, so several of its parts are subsumed inside a bouquet that is something a spicy, herbaceous, green, warm, cool, sweet, and smooth wood blur.




Masterpiece of

Stéphane Humbert Lucas








5 PERGAMINHOS





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

The Spirit of Dubai By Nabeel I A MELHOR CASA DE NICHO DO MUNDO I resenhas de alguns perfumes dessa mitológica casa

A Alta floresta de um  garimpador. O ULTRA NICHO Com um tempo sólido  na perfumaria,deveras chegará uma hora que você se sente enfastiado,a maioria das garrafas ou amostras que chega em seu nariz,falam mais do mesmo,com um retoque ali,aqui,pois até mesmo a perfumaria  de nicho sofre por redundâncias,mercado,materiais sintéticos, uma  infinidade de fatores desestimulantes para o ávido colecionador.Na qual chamo de "paradoxo do nazo cansado" rsrs. Sem falar de casa que prega exclusividade e cobram preços estratosféricos,matérias primas altamente naturais (markentig ) por algo que nem compensa na verdade. Frascos extraordinários mas não se equivalem ao suco dentro dele. Mas minha experiencia com a casa The Spirit of Dubai By Nabeel,foi diferente,na minha opinião valem o que custam e nessa abordagem superficial falarei de alguns dessa casa que considero uma das melhores da perfumaria de nicho. Apertem os cintos. Majalis U

Oud For Greatness Eau de Parfum by Initio Parfums

Oud For Greatness Eau de Parfum by Initio Parfums Entusiasmada pela idéia de moléculas olfativas que desencadeiam atrações e impulsos, a Initio Parfums homenageia essa dimensão sobrenatural e científica com sua coleção hipnótica de fragrâncias. Oud Pela Grandeza marca o início de uma nova era na perfumaria,talvez meu argumento seja discutível,e cheio de viés que viabilizará consigo mais redundâncias,mas o que quero expressar é o novo hype que está causando grande celeuma lá fora.O conceito de "geometria sagrada", a inspiração por trás de Oud For Greatness, é que os símbolos e motivos recorrentes - incluindo o perfume sagrado do oud - são tão poderosos e sagrados que estão imbuídos dessas conexões ocultas com o mundo em geral, transcendendo o mundo e o plano material para alinhar aqueles que o cheiram com as vibrações do universo. Um oud esfumaçado ,super original e com apelo para as massas , viciante,intoxicado, uma fragrância que irá satisfazer aqueles em busca de

XERJOFF MV AGUSTA

  Em MV Agusta, a Xerjoff aposta no couro,um couro sofisticado com camurça muito fácil aos narizes ,mas não de forma banal.Inspirado em torneios de motocicletas na Itália que leva o mesmo nome,a proposta é passar toda a vibe do campeonato,cheiros dos pneus nas curvas,uniforme de couro,e a sofisticação do mesmo. Couro e camurça se entregam a uma linda iris amanteigada,com cravo inebriante que serve como árbitro entre ambos. o incenso no meio/dry rouba a cena ,com o toque do olíbano que o intriga ainda mais. tudo termina adocicado,fumado,com couro. para que serve:balada,festas,eventos etc. periodo;Noite compartilhável idade;+25 nota:11/10 estiloso